sábado

Never Say Good Bye

 
Andei por ali , por aquele caminho, tantas e tantas vezes. Naquele Vale do Silêncio, demasiado silencioso....
 De mão dada contigo, a rir e a gargalhar, lembro-me que eu ria mais que tu...
Vínhamos da escola que era depois dali, daquele  silencioso caminho.
 Andávamos lado a alado , eu marcava o passo contigo. 
Caminhávamos tão devagar, sem pressa nenhuma de chegar a lado nenhum …
Tantas vezes por ali passei, de mão dada contigo, andava sem  sequer saber porquê…
Disseste-me que tantas vezes esperavas por mim... não me lembro...
Ria-me contigo sem saber de quê.
E tão pouca coisa , já  me deixava ser feliz.
Lembro-me que era feliz...
Naquele caminho, quando lá passei hoje, tentei recordar o outro nosso passeio que nesse nosso tempo, não sabiamos  que um dia,  iria terminar.
Passo por ali tantos anos depois.
 Pensando em tanta gente que já  me disse adeus.
A saudade que nessa altura  eu não sabia um dia vir a  ter. 
Hoje ela bateu-me à porta.e eu não quis abrir...
 Arrombou a minha porta, e entrou por ali dentro sem pedir licença a ninguém!
Passei hoje por ali, está igual ao que já foi. Está igual ao que ainda é.
Ali apanhávamos folhas secas pelo caminho, ali as  espezinhávamos  já mortas. AS nossas folhas amareladas de  Outono.
Andava contigo por ali, com as minhas galochas vermelhas, aquelas que nunca se separavam de mim :)
 Ali...andei de mão dada... e há tanto tempo que não me lembrava.
Ali andámos de mãos enlaçadas...
Não havia perigo naquele caminho, naquele não... e eu,  deixei de o seguir há tanto tempo
Hoje recordei quem um dia me disse adeus, não por querer, mas por não mais poder por cá ficar.
Hoje eu sei, aprendi hoje! 
Hoje sei que há quem nunca nos diga adeus, mesmo depois de desenlaçarmos as mãos,.
Mesmo depois dos nossos caminhos se confundirem...mesmo depois de tudo, mesmo depois de te calares...mesmo depois de eu quase nunca te falar… 
Mesmo depois de eu, tantas coisas não conseguir recordar…tu avivas-me a memória… 
Hoje, pisando as pedrinhas cinzentas daquele caminho, senti o mesmo que senti, quando um dia as pisei contigo.
 De mãos dadas, agarrando sonhos de quem era quase criança, sonhos que nem sabíamos estar a ter.
Mãos que se davam e não se largavam. Nessa altura era assim, andávamos sempre de mãos dadas ....
E esse enlaçar de mãos, esses beijos quase sem sabor, por não sabermos. Pensamos esqueçer no tempo, e o tempo, de repente,deixa de o ser...

 Esse descuido nos sentires, estava todo lá... naquele caminho que fazíamos da escola para casa, de mãos  entrelaçadas ,esmagando as folhas ao passar, e sem qualquer vento  frio, que nos conseguisse travar o andar.
Seguíamos até ao fim das nossas vidas... e seguimos, por caminhos tão diferentes...
Hoje, passando por ali, recordei a textura e a secura das tuas mãos, senti-as como se as tivesse agarrado naquele instante, recordei o teu olhar....
Hoje, soube que nunca tinha olhado para ti... como hoje, eu  gostaria de ter olhado 
Recordo o tacto das mãos, o sabor do beijo, e um olhar que não percebia.... 
Recordei tudo, assim sem ninguém me avisar. 
Porque a saudade bateu à minha porta, com uma mala cheia de tudo o que eu não lembrava
Só porque hoje, eu tive a certeza, que quem me ama, nunca me diz adeus.
Passaram anos, tantas  vidas  que passaram por ali. 
Naquele Vale do Silêncio, passaram almas diferentes que se juntavam em mãos tão carentes...
Só porque hoje, eu tive a certeza, que há tantas formas de amar!
 Que o amor se perpétua no tempo, e não morre, mesmo andando por outros caminhos.
Porque hoje eu sei que se te chamar, tu vens... depois de tudo o que nem me lembro, e que tu recordas tão bem.
Porque hoje eu tive a certeza, que os namorados quase crianças que enlaçam as mãos, mesmo sem se aperceberem,  ficam unidos para sempre.  
Porque  hoje percebi, ao passar por ali, que o “para sempre” existe …. e que o caminho ficou ali, parado no tempo...
Obrigada por nunca me dizeres adeus


eu sei eu sei!! a música está repetida ... mas é mesmo assim ... tinha que a colocar aqui !!! 
foto do Vale do Silêncio, nos Olivais 

14 comentários:

Conversa Inútil de Roderick disse...

Andaste lado a lado, com um ser Alado que abriu asas e partiu!

Francisco Vieira disse...

Bom dia ! Ficam sim senhora! As promessas feitas, os carinhos trocados na inocencia dos primeiros anos, nunca esquecem...
Fizeste-me pensar de novo na minha amada "Yolanda" :-)
Beijos e bom fim de semana

Rosie Dunne disse...

como adoro essa musica, nao vejo problema nenhum! :)

Girl in the Clouds disse...

Gostei do post!! Beijo e bom fim-de-semana!!

Luz disse...

Teresa,
Hoje quando li este teu texto, revi momentos, palavras, promessas, sons, cheiros, sabores, toques, sentidos sentires..., emoções...,tanta coisa...
De imediato as lágrimas começaram a cair..., desculpa, hoje estou assim, são dias, tu sabes..., mesmo que sejamos fortes, também desabamos...
E, já o reli e, não consigo comentá-lo como deve ser, desculpa, mas quero dizer-te que é muito bonito todo o sentir que aqui expressas, esta saudade que ficou e sempre irá ficar..., sei o que queres dizer.

Beijo e obrigada, hoje estou :(

Sonhadoremfulltime disse...

Boa noite Teresa,
As recordações invadem-nos o coração de momentos inolvidáveis.
Gostei deste teu texto que me inundou de nostalgia.
Sabes que não é difícil deixar entrar alguém no nosso coração.
O que é difícil é deixar alguém sair.

Beijo

opinião própria disse...

É sempre uma delicia recordar Bon Jovi.

Estrela disse...

Olá Tereza! Lembrar com doce saudade,divagar,sonhar é muito bom!
Principalmente ao som de uma música que nos impulsiona a isto. Bom fim de semana!

sonja valentina disse...

Teresa,
quanta "doce" lembrança e nostalgia neste texto... sabe sempre bem recordar quem nos encheu o coração de alegrias e para sempre fica ligado a nós. para sempre de mãos enlaçadas!
obrigada pelo sorriso que me deixou!
=))

Spark disse...

Adoro o Vale do Silêncio, ou seja, adoro os Olivais. ;)

Spark disse...

O vale do Silêncio é um sitio perfeito para partilhar excelentes momentos!

;)

Luis Fideles disse...

Lindo ... e tão tão tão verdadeiro.

Depois de ler, lembrei-me que alguém disse um dia "Nunca voltes aos lugares onde foste feliz".
É verdade. Mas é possível?
Conseguiremos nós alguma vez, e por muito que nos doa, não tentar voltar aos sítios (e por inerência, às pessoas) onde fomos felizes?
E queremos?
Bjs :))

romulo disse...

Vivemos demasiado fora de nos, de olhos vendados, como se coberta estivesse a alma, coberta por mantos que nos impedem de ver, de sentir todo o presente que nos envolve.
Muitas vezes refugiados no passado, outras esperando um futuro, ou ate num presente equivocados por todos os pensamentos desordenados que nos foram confundido, deixando todo o proposito fugir, deixando o unico momento da nossa existencia esquecido, pois as vezes, o dificil é viver o presente e mante-lo bem presente em nos .
Somos cegos da nossa propria passagem, e algumas vezes é preciso estarmos bem longe daquele passado, que outra fora um presente, para poder realizar o seu verdadeiro significado, a sua verdadeira beleza

Romulo disse...

Vivemos demasiado fora de nos, de olhos vendados, como se coberta estivesse a alma, coberta por mantos que nos impedem de ver, de sentir todo o presente que nos envolve.
Muitas vezes refugiados no passado, outras esperando um futuro, ou ate num presente equivocados por todos os pensamentos desordenados que nos foram confundido, deixando todo o proposito fugir, deixando o unico momento da nossa existencia esquecido, pois as vezes, o dificil é viver o presente e mante-lo bem presente em nos .
Somos cegos da nossa propria passagem, e algumas vezes é preciso estarmos bem longe daquele passado, que outra fora um presente, para poder realizar o seu verdadeiro significado, a sua verdadeira beleza