quarta-feira

gostar de ovos estrelados ...


Como dois pequenos ovos, assim estrelados, pensei poder partilhar contigo uma frigideira, eternamente,.
Mesmo daquelas já muito usadas, daquelas que já ninguém quer para mais nada.

Pensei que a podia compartir contigo, como dois ovos que ao mesmo tempo se fritam, que ao mesmo tempo se cozinham ,e se misturam em lume brando para nunca secarem.

E um dia, assim se estrelaram dois ovos com a gema amarelada, viva... com gemas exactamente da mesma cor, e com a clara tão branca e cálida, unida num amor só.


Partilhámos assim uma frigideira, até nos degustarem e sem piedade nos cortarem em pedaços.

Alguém molhou o miolo de pão na tua gema e a desfez gulosamente sem saber nem o que fazia.


Alguém começou por se deliciar com toda esta apetitosa clara, comendo tudo à nossa volta.

Partilhámos aquela envelhecida frigideira, julgando ingénuamente, que ficaríamos assim intactos para sempre ... E não pensámos que tanta gente
...poderia gostar de ovos estrelados ...
(foto retirada da net...)

texto meu, escrito em Abril de 2009 , publicado no "nem só palavas"

14 comentários:

Marilisa Peeters disse...

É mais ou menos isso que acontece literalmente, tirando o lirismo.
O ínicio guloso e apetitoso vai se despedaçando pela rotina!!
bjs

Conversa Inútil de Roderick disse...

Okay, combinado. Mas comes a clara que eu não gosto, ok?

Teté disse...

Gosto de ovos estrelados! (embora o nick Teté não tenha associação a esse gosto)

Intacto para sempre ninguém fica: nem a frigideira, nem os ovos, nem as pessoas que os compartilham... O tempo encarrega-se de espairecer ingenuidades de outrora! A única vantagem talvez seja entendermos que nada nesta vida é eterno... ;)

Beijocas!

Sonhadoremfulltime disse...

Olá Teresa,
Um post bastante apetitoso. Eu faço parte dos tais que adoro ovos estrelados. E partilhados numa velha frigideira, fazem com que as recordações surjam perante os nossos olhos.
E por vezes de um realismo tal, que me lembro do que revi ao comer o meu último ovo estrelado.
Um hotel, no meio do nada. A porta lá estava fechada, o quarto presente, a cama no seu habitat.
Um homem e uma mulher na realidade de um quarto anónimo. Amor à Pavlov. Depois nada mais. Não sei mais nada, porque a magia, a força do feitiço, tombou sobre mim e sobre Sofia. O tempo e o espaço cessaram.
Ambos à beira das lágrimas, os corpos nus contra o outro, aquecendo o que já estava ardente.

Bjo

sonja valentina disse...

reduzir assim o amor entre duas pessoas á singela forma de dois ovos estrelados... brilhante! assustadora questão que fica a pairar no ar...

Graça Pereira disse...

Teresa:
Quando fizer ovos estrelados ( que eu adoro) vou pensar neste post "culinário" e pensar qual é o ovo que eu levo para partilhar comigo, uma velha frigideira....
Um beijo.
Graça

O LOBO disse...

Tambem adoro ovos estrelados.
Vou passar a vir aqui petiscar.

Um beijo do LOBO

O LOBO disse...

Em relação à paciencia tenho a dizer-lhe que curiosamente os lobos têm imensa.

O LOBO

mfc disse...

Uma alegoria bem real...

Sofá Amarelo disse...

Adoro ovos estrelados... e logo hoje no Dia Mundial da Alimentação, hum, chjép, chlép - também tenho um manjar no Sofá para quem nele se queira sentar...

Muitos beijinhos!!

AnaMar (pseudónimo) disse...

Adoro ovos estrelados, degustados numa partilha assim.
Deixo um convite:

http://um-cha-no-deserto.blogspot.com/2009/10/convite.html

Abraços e beijos

Francisco Vieira disse...

Muito bem, muito bem, muito bem!
Senti-me sem guardas, indefeso com o tanto que disseste, numa pequena "metafora", em meia duzia de palavras. E olha que poucas coisas me fazem sentir assim. Muitos parabens!
Bom fim-de-semana
Uma beijoca na boxexa :-)

Paula Raposo disse...

Às vezes prque nos distraímos alguém come o nosso ovo estrelado...ou molha o pão na gema e tira toda a graça!! Beijos.

Luz disse...

Teresa,
Quem é que não gosta de ovos estrelados!? Poucos , talvez... Mas estrelados assim desta forma, partilhados, degustados a dois numa mesma frigideira mesmo daquelas antigas ou até num prato rachado se soubermos continuar a partilhar estes ovos estrelados não importa onde os degustamos, antes a capacidade para continuar a degustar.
Aqui esta metáfora leva-nos a pensar no porquê de muita coisa que hoje muitos já não conseguem degustar desta forma, porque o sentido de partilha, do para sempre tem vindo a perder-se..., ou, já se perdeu..., não quero! Eu quero continuar a comer ovos estrelados degustados partilhados não importa onde. Ainda recordo e, tenho na boca o sabor da última partilha :)

Bjo