segunda-feira

desfaz-me em água

parte estalactites estáticas
diz-me alguma coisa
qualquer coisa que não me gele
que não me esfrie
mas não me aqueças

desprende-me estas pernas presas
em seguras  nuvens de gelo

diz-me alguma coisa
qualquer coisa
que me derreta
mas não me aqueças 

dá-me só  um sinal 

já não me sento aí
já não sinto
e
já não me gelo
mas
diz-me alguma coisa
qualquer coisa que me responda

enche-me de branco líquido
parte-me estas estáticas estalactites
derrete-me
numa palidez qualquer

parte-me
desprende-me
desfaz-me em água 
diluí-me

diz-me alguma coisa
faz-me um sinal
mas não me aqueças


mesmo em fumo de gelo
palavras aqueciadas no meu ar
parte-me em bocados gelados
dá-me um sinal 

senta-te
senta-te aqui
gela-te comigo
diz-me alguma coisa

qualquer coisa...
dá-me um sinal
desfaz-me em água
e não me aqueças

Teresa Maria Queiroz / Março 2011
Foto / Janjan Pais








3 comentários:

Observador disse...

Magnífico trabalho, Teresa.

E ... James. Grande som.

Sus disse...

Há muito não passava por aqui... mas teus escrito são sempre uma maravilha de se ler!
"Faz-me um sinal
mas não me aqueças"
Uma contradição de sentimentos leve e com tanto nas entrelinhas.

Boa semana
Angel

mfc disse...

Gosto desta tua maneira de cantares a procura do que nos completa!