sexta-feira

Como uma jóia



Guardiã de instantes
guardo o momento real
Guardiã duma jóia rara
perpetuada num instante de neve.
Medo de tudo o que for para sempre
Medo de te perder, num floco de tempo frio
Nada fazer
aquecer o momento guardado
 nada estragar, não gelar
Para não diluir o momento
Para não te partir como gelo!
Guardar-te, eternizar instantes voláteis
Solúveis

Guardar o momento, como uma jóia intemporal
Com medo do segundo seguinte
Medo de te perder num tempo sem medida
Não falar
Nada pedir… o momento não pode passar
Guardado por mim, com medo…com frio
Gelado em mim
Medo de não saber o que será de ti.
Medo de te perder no breve tempo dum floco de gelo
Guardiã de breves instantes, guarda só o momento real
Rainha de neves líquidas, desfeitas em tempo
Guardiã de imensos instantes
Intemporais
Voláteis
Inconsistentes momentos 

Teresa Maria Queiroz  Abril 2010
foto minha / Paris 2010



5 comentários:

Lou Alma disse...

Muito giro Teresa, adorei este teu poema, incerto, mas com afirmação, nem sei descrever o que senti, beijos

Lilá(s) disse...

Guarda no teu cofre mágico e fecha com a chave de ouro, assim estará bem guardado.
Bjs

Sandra Botelho disse...

o poema...
Tem sentimento...
Vim te fazer um convite:Conheça meu novo blog.
www.sandra-botelho.blogspot.com

Bjos achocolatados

Viviane disse...

Andamos nesta onda de Damien Rice;)

continuando assim... disse...

LOU: é só um poema sem tempo...:)

LILÀS: a guardiã desta jóia , nem pode pensar em mais nada senão guarda-la :)

Sandra : obrigada pela visita :)

VIVIAne : há ondas boa ... :bj