segunda-feira

ALICE OUVIU UM GRITO MUDO - capítulo 1 .1 - Coming back to life ( des continuando assim... )

Eu seguia o grito... foi assim que tudo começou.
Não tinha muita experiência nessas coisas de chats, conversas electrónicas sem corpo nem som . Para mim, há anos atrás, tudo era uma novidade e a curiosidade mais do que muita.
Comecei a ouvir histórias bonitas , a uns e a outros. Namoros, casamentos, almas gémeas, autênticas histórias de encantar.
Historietas que se encontravam assim como por mero acaso, nesta confusão de ondas que andam pelo ar, que se passeiam por fios fininhos dentro das paredes de nossa casa, que voam, sem as podermos olhar, mesmo à nossa volta. Ondas que nunca conseguimos ver,que não sentimos nem cheiramos.
Amores virtuais que se transformam em bocados de vida, porque não?!
Não identifiquei a incerteza daquele acontecimento tão pouco plausível...
Mas, não seria possível que alguém, com aquele nome gritante, fosse a metade da laranja ou mesmo a tal tampa da panela ... a meia para o pé ?
Claro que sim! Seria certamente, eu acreditava que sim.
Eu acreditava em tudo, não encontrava razões para não crer. Só me esqueci que a omissão também é assim uma espécie de mentira tão usada e abusada , nesse mundo virtual.
Mas se eu estava ali, porque razão não poderia estar um outro "eu" lá on outro lado que eu não via.
Alguém como eu, alma gémea, metade da laranja ...a outra meia que falta ...
Sabia que a viabilidade de encontrar o tal  príncipe ( querias avós que nos contam estas histórias), era quase incomensurável. Mas havia, não havia?
Podia acontecer! Pensei que me podia acontecer...
Então e as outras, as histórias felizes? As que acabam bem, essas não contam?!
Força, é por aí o caminho!
Pensava a medo, com uma atracção inconsciente pelo magnífico grito desconhecido. Seduzida pela facilidade de comunicação nesse mundo tão virtual seguia por ali, aquele era o meu caminho.
Entornando sentimentos, largava-os assim, passava-os  sem saber como e sem saber a quem.
A conversa era sempre envolvente, directa, deliciosamente misteriosa. 
Os ingredientes estavam lá todos, nem eu sabia como os cozinhar.
O sentido de humor misturado com conversas que me soavam a música , sem querer, ou querendo, sempre me fascinava.
Sorria pateticamente para um  monitor que não falava. Sentia, nem sei como, que o meu sorriso passava para o lado de lá, talvez através desses fiozinhos que eu nunca via ...
Cercada e mergulhada na atenção que me dispensava esse meu misterioso grito. 
Sem pensar no que mais poderia acontecer, já não vivia sem aquele emaranhado de caracteres , que sem vida me faziam viver.
Palavras carregadas em teclas, que me embalavam tão facilmente .
_ Porquê esse nome...esse nick name...?
_É uma música dos Pink Floyd, conheces...?
_Assim pelo nome, não me lembro...mas parece um grito...
_E é!
Com ou sem mentiras, inverdades cobertas de omissões que inesperadamente se tornavam encantadoras, e dada a irrealidade do engenho pelo meio de tudo,eram sempre perfeitas. 
Demasiado perfeitas.
Conheci primeiro um conteúdo acreditado e só depois o embrulho, o contrário de qualquer presente oferecido.
Cara a cara , eu nem queria acreditar! Demasiado perfeito.
Nem reparei que era excessivamente exemplar, consumida por uma história de encantar, encantei-me .
Também eu fui feliz, por momentos, em pequenos bocadinhos.
Passando do virtual, daquele sentimento mecanizado pelo engenho, para a realidade, tudo se transforma...
Apesar de tudo o que veio depois, fui afortunada por um momento.
Gosto de acreditar que valeu a pena , só por tudo o que um dia conseguiu  ser.
Temos sempre a maquinal tendência de recordar os maus momentos, só porque doem, desconcertam e são terrivelmente difíceis de esquecer. E os bons? Se não fossem os bons ...eu nunca teria vivido o meio de tudo, e muito menos teria chegado a qualquer final. 
Os momentos bons, são sempre mágicos e maravilhosamente inesquecíveis.
Querem existir dentro de nós, tornando a realidade tão frágil e tão assustadoramente volátil , tal como tudo o que é virtual.
Mas na vida real, não basta uma tecla para desligar todos os circuitos, e eu disso nunca me apercebi.
Só pensei que poderia ser assim, exactamente assim ! Perfeito, demasiado perfeito.
Anos incontáveis,  numa  aventura construída pelo grito que me gritava : "coming bak to life".
Não sei se hoje terá voltado a gritar para uma outra vida qualquer...
Era quase um apelo que fazia, um grito mudo que soava só para mim...um bramido quase calado, só para eu conseguisse ouvir...
E mesmo sem saber porquê, eu teria que o libertar. 
Não sabia porque me gritava , a mim. Nem sei porque pensei que o teria que arrancar das brazas onde teimosamente se deitava, tal como diz a canção 
_ É dos Pink Floyd...não conheces ?
......  fui ouvir....
E a partir daquele impreciso momento, essa passou a ser a minha razão de vida. 
Correr atrás desse grito, pensando que o poderia fazer calar.
Sálva-lo, nunca acautelando o que eu ainda não sabia ser.

(continua...)

31 comentários:

Kimbanda disse...

Olá Teresa,
Reitero o gosto que fiz na tua presença na minha humilde cubata assim como o gosto pelo bocado que aqui passei deleitado pela tua narrativa.
Continuando assim, voltarei para acompanhar.
Kandando amigo

Nilson Barcelli disse...

Uma boa narrativa. Gostei, querida amiga. Continua...
Um beijo.

continuando assim... disse...

obrigada por seguirem :)

maria teresa disse...

Teresa não sei se é ficção o que relata mas eu estou a "ver" uma história igualzinha à que já vivi, só que eu não saí da virtualidade, acordei a tempo, mas não a tempo de mesmo assim sofrer bastante...
Vim em resposta ao seu convite e ainda bem que o fiz!
Abracinho

Lou a esquizoffrenica disse...

Curiosamente seguindo a história e desejando muito saber como acaba . Beijo .

Inês Dunas disse...

Quero, sem duvida, conhecer mais de perto essa historia q é a da Alice, mas q estranhamente conheço... Perdemos-nos sempre à procura, não é?
Um beijinho tão grande em si, Teresa!

Princesa Da Noite disse...

Agradeço o seu convite,virei novamente pois gostei do que li.
Beijos.
Princesa Da Noite

Chica disse...

Mais um lindo capítulo que pretendo continuar a ler...beijos,lindo dia,chica

Angel in the dark disse...

Obrigado pelo convite.
Gostei da história, um pouco melodramática, mas que seriam das palavras sem um pouco de drama.

ONG ALERTA disse...

Todos escolhem seu caminho...

Hazel disse...

Obrigada pelo convite.

Gostei muito de ler esta narrativa.
Bons momentos que passei a ler.

Obrigada :))

Madame disse...

Adorei seu cantinho e a forma como escreve seus pensamentos.

aBS.

continuando assim... disse...

obrigada a todos !! fico contente de poder partilhar com vocês a historia :)
logo mais pela noite ,o segundo capítulo :)

bj

anf disse...

andava a passar ao lado, gostei

Ava disse...

Encantada com o que li/vi/ouvi por aqui...

Nada é por acaso...

Ou seria pr acaso que me chamo Alice, diferente de sua personagem, apenas porque tenho um casal de filhos...rs

Continuarei a te seguir...

Beijos!

LBJ disse...

Estou seguindo :)

Beijos

S* disse...

Hum... agora fiquei curiosa. muito interessante!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Vim responder ao seu convite e agradeço-lhe muito, porque normalmente só visitava o seu outro blog IN Senso Comum.
Estou a gostar do que leio por aqui e , um destes dias, este será o Blog no feminino lá do CR

T disse...

Ahahaha... as histórias de Alice, no momento em que Tim Burton dá imagem ao clássico de Lewis Carrol.

(very clever my dear)

mfc disse...

A vida é assim como a descreves... cheia de impulsos.
Impulsos que nos fazem sorrir!
E olhamos para nós nessas fases e chamamo-nos de tontinhos...
E como é tão bom nessas alturas ser-se tontinho!
Obrigado por este lindo texto.

mariana, a miserável disse...

queres uma capa para esta história? =)

Mar Arável disse...

Vagarosos instantes

Bem-vinda ao meu mar

continuando assim... disse...

obrigada a todos vós ... pois isto é só o princípio , tenho a dizer que o livro tem 18 capítulos :9 e outros tantos sub capítulos :) ou seja ainda vai no início!!!
agora que me meti nisto ...vou ter que terminar lol

beijooooos

continuando assim... disse...

T ; de facto não tem rigorosamente nada a ver uma coisa com a outra.

bem vinda

continuando assim... disse...

Obrigada Carlos pela amabilidade :)

bj
teresa

continuando assim... disse...

Kimbanda .... vejo que segues a história fico feliz por isso :) bj

continuando assim... disse...

Obrigada Nilson :) sempre presente e fiel ;)

beijo

continuando assim... disse...

Princesa Da Noite ; chica ; Lou; Inês; Angel; Ong; Hazzel; madame; anf; Ava ..... etodos todos os que seguem , obrigada .
Só vale a pena escrever quando somos lidos :)

bj

DREAMS disse...

Ola Teresa

Desculpa a demora, mas ca estou para seguir atentament o desenrolar da historia.... continua :-)

beijoca
Ana

Malu disse...

Vim só hoje por aqui e estarei a seguir, minha querida. Obrigada pelo convite.
Ótima narrativa...
Fatos reais, quantos,por conta das solidões e carências não se emaranham a um MUNDO que não podemos chamar nem de real e nem de fictício...

Beijinhos em teu coração

Anatomia disse...

A minha primeira leitura desta narrativa... cativou-me .
Vou continuar a leitura sem duvida alguma !
Anatomia