sexta-feira

Barbie Girl !!! são mais caixinhas a sair na farmácia local!




O recrutamento nesta indústria, que se tornou tão comercial em todas as suas vertentes, hoje em dia, passa muito pelos atributos físicos dos candidatos....” helena pensava assim como quem não lhe apetece perceber, já tantos anos se tinham passado e cada mais o conhecimento dos medicamentos , das patologias interessava cada vez menos ”
É só passar num centro de saúde, olhar com olhos de ver, e no meio daquela gente toda rodopiam umas "misses" falhadas.... e uns "modelos"
que ficaram na prateleira da agência…
Porque é tão poucochinho o que se tem para dizer aos doutores e doutoras que... sempre podem "regalar" a vista nos poucos minutos que dispõem para receber os "gestores" de zona!
E espantem -se....ISTO VENDE ..... são mais caixinhas a sair na farmácia local!
Ao sair do duche que iniciava o seu dia para uma actividade que já tinha conhecido uma maior limpeza, vestia-se com calam escolhendo a roupa que não iria deixar ficar mal aos olhos dos doutores.
Helena começava sempre o dia da mesma maneira , com o pequeno almoço no centro de saúde.
No meio dum café e dum pastel de nata lá ia sorrindo e cumprimentado os doutores antes das suas consultas, sabia que olhando para ela talvez o nome do medicamento a prescrever ficasse na ponta das suas canetas.
Nas hoje a competição era grande, provavelmente sairia numa receita qualquer o medicamento da miss A ou miss B….
Valia-lhe a antiguidade algumas amizades (tão pouquinhas em todos esses anos..)
o que fazer?

Pois é... para vencer nesta indústria há que "entrar na dança"...
Vamos então encarar esta profissão numa vertente puramente comercial!
Quantas vezes eu ouvi: "Helena, ainda tem um" budget" elevado para gastar com os seus "clientes"! já estamos a meio do ciclo e ainda não realizou nenhuma acção especial com os seus KDoctors!!
Eu nem queria acreditar em tanta transformação!

É bem verdade... a indústria funciona mesmo assim... a cada delegado de informação médica,  é atribuída uma verba que supostamente terá que gastar com os seus  "clientes" ( que mal me soa esta palavra!) ,com o intuito de "angariar" mais prescrições dos seus medicamentos.... e se essa verba não for gasta, o delegado de informação médica (desculpem ...o Gestor de Zona) fica mal visto perante as chefias.... porque não investiu o que devia, e assim será difícil as "caixinhas " saírem nas farmácias!!
Há que ir ás farmácias perguntar quantas embalagens saíram, quem prescreveu, o que é que "sai" mais, quais os médicos que estão a ter mais receitas a sair na farmácia… 


É verdade! Tenho que passar pelas farmácias hoje, não sei se o Dr. Andrade sempre cumpriu o prometido, mas isso logo me diz o Sr. Albano da Farmácia Central, essa está sempre cheia até à porta!
Quando as  "vendas "não sobem...e os delegados desesperam... há que pensar em fazer alguma coisa…
Que tal organizar um fim de semana num hotel de luxo? reunir uma dezena de médicos, duma determinada região, com as suas famílias. Tudo pago! Para todos!!....
Assim certamente as vendas dispararam na semana seguinte!
Têm de ser...por muito que te custe tens de fazer alguma coisa...
Helena escolheu com cuidado os médicos que iria convidar, o objectivo era só um, subir as vendas naquela zona!
E na realidade as vendas subiram, a pique!! pelo menos durante a semana seguinte à "reunião científica" que se realizou num hotel  de luxo, aquela “reunião científica “ que de científico teve tão pouco…
Helena não se lembra de ver na reunião todos os médicos convidados, provavelmente teriam ido aproveitar o Sol…sim porque estas coisas oferecidas assim tão amavelmente são mesmo para aproveitar!
Ao fim do terceiro dia de “reunião”, Helena encarregou-se de recolher os certificados de presença, aqueles que iriam fazer com que os seus KDoctors  não fossem penalizados com faltas ao serviço.
Foram três dias num Hotel a Sul do país, 5 estrelas para quem, bastariam só estrelas cadentes.
Helena pensava no regresso a casa, já não suportava mais construir o sorriso, terminado o fim-de-semana prolongado, balanço feito, pensou que iria conseguir e com um sabor tão azedo de missão cumprida voltou para Lisboa
Que alívio!! já não sou despedida....

Que gratificante…




14 comentários:

O LOBO de....POTT disse...

Olha meu amor.....vai nanar...

Beijos

continuando assim... disse...

vou agora :) beijo lobo

A Senhora disse...

É praticamente uma história de terror. Tanto para os pacientes, como para Helena.

beijinhos

Constancinha Purinha disse...

Constancinha & Carlota têm a honra de convidar V.Exa para a inauguração da casa de chá e maus costumes, que é a nossa.


Cordiais cumprimentos,


Constancinha e Carlota

Carlos Albuquerque disse...

Não há muito tempo ouvi a administradora de uma empresa detentora de serviços de saúde e de ligações à industria farmacêutica, dizer que "aquilo" era "um grande negócio, melhor só o da indústria de armamento"!
Espanto!?
É o mundo em que vivemos, em que cada vez mais deixamos de ser pessoas, para passarmos a ser "coisas"!
Bjs

Francisco Vieira disse...

Este texto tem continuacao, nao tem? Esqueceste alguns pormenores. Vou ficar a espera :-)

Francis disse...

Welcome to Capitalismo :)))

O Marxismo é utópico e o Capitalismo também.
Mas nós gostamos mais de cartões de crédito.

Kiss, Kiss!!!

Francis disse...

Isto saiu?

Ritinha disse...

infelizmente as coisas sao assim... começo a perder a minha fé na humanidade.

beijinho

continuando assim... disse...

tem continuação Francisco ... esqueci que pormenores?? bj

Francisco Vieira disse...

Boa noite! Ia dizer que esqueceste as prendinhas (joias, perfumes, etc)para as "secretarias" e para as esposas dos senhores doutores. E os almocos nos restaurantes de luxo, que se prolongam ate ao fim da tarde, onde se mostram uns filmes que ninguem ve, e tudo e tudo e tudo...
Mas uma vez que tem continuacao, eu aguardo :-)

Atencao, eu tenho amigos medicos que pensam exactamente o mesmo que eu sobre isto. Tambem tenho a certeza que muitos delegados pensarao o mesmo. Nao estou aqui a generalizar em relacao a cargos, mas a pessoas.
Beijos

b disse...

Sorte a nossa d'aquém mar, que temos uma cultura meio que missigenada e usamos poções indígenas, e africanas e tantas outras coisas que aprendemos com os avós.
Sorte e necessidade - pois se dependermos dos "critérios" da medicina praticada no ocidente ou na medicina praticada (?) pelo poder público, melhor seria encomendar o caixão.

BlueVelvet disse...

Em que ferida foste pôr o dedo nestes dois posts.
É preciso coragem para denunciar aqui.
Mais ainda para fazer qualquer coisa no campo, porque há sempre a pressão de um emprego em jogo.
Beijinhos

paulofski disse...

Pacientes não! Clientes. Agora quem recorre aos serviços de saúde, falo dos públicos, já não são doentes mas sim clientes e, genéricamente falando, temos que ser bem atendidos e tratados. No que diz respeito à industria se não serve há-de sempre surgir uma reestruturação qualquer...