segunda-feira

FIN GIR



Verbo

fin.gir, transitivo

  1. simular, fantasiar.
vou fingir que não se passa nada aqui , vou fingir que nem nunca nada se passou , finjo que gosto de não gostar de ti. è o que me aconselham.

vou transitando tal como o modo do verbo .... finjo que ninguém sabe que finjo , vou andando há mercê do que se vai passando... porque o passado é passado , como eles dizem!

( será que tiveram passado, certamente que sim, senão seriam feitos de quÊ? )

e para viver o futuro temos que esquecer ou fingir que se esquece que o passado não é real , e arrumar tudo para ali, assim de qualquer maneira .

mas se fingir está tudo bem! para todos . E para mim?

está tudo bem .... para poder começar a viver a vida dos outros !

vou fingir é o que me mandam ...não sabendo que não podem nem sugerir !!!

porque o fingir não mata o passado , o fingir acalenta a mentira que te obrigam a formar em ti
finge que está tudo bem ! ....esquece o que já foi ..... :)
impossível !

o passado não se esquece ...a não ser que não tenha sido passado ...
fingir só acalenta o gosto dos outros , só os conforta a eles, nunca nos embala , nem a ti nem a mim.

e depois até posso ficar com aquela cara assim!
olhar que ninguém entende...olhar fingido
andar fingido ...viver fingido!
mas finge ...finge ...porque está tudo bem!!!

fingir / acto de presumir

será loucura , não gostar de fingir?

Tu
sei que finges, e como tal afogas-te em devaneios insanos, porque tens de fingir tudo em ti .... se calhar só assim consegues andar por aí.

Porque de tanto te fingires deixaste de saber que és, que poderías ser?


mas só o poeta consegue ser um fingidor, e arrebatar o desamor sem custo .
Porque fingir custa muito para quem não consegue poetisar qualquer dor

talvez por isso tudo, eu tal como me pedem , nunca conseguirei fingir .

Tu
habituado a ti , não destingues o que finges . Desaprendeste provávelmente.

e eu , não me quero tornar assim, tento viver todo o passado de dor e amor , sem pretender fingir alegria, sem pretender fingir que me esqueçi de mim , ou que me esqueçi de ti.

VIVO, sem fingir
a custo , mas continuo a viver , só de mim, sei que os outros se possam confortar nas suas vidas com o meu fingimento.

PS: não se preocupem , porque mesmo sem fingir nada eu chego lá . Quando me virem sem aquele inócuo olhar, é porque o passado pode estar a passar.

2 comentários:

Arabica disse...

Teresa

lendo teus interesses, tuas músicas, teus livros, não pude deixar de sorrir. Temos muito em comum. :)

Crescer com eles.
Crescer sem fingimentos.
Aguentar de frente os embates, mastigar as dores, inventar formas, procurar músicas que traduzam o passo de dança.

:)

Beijos

Su disse...

como te entendo


costumo dizer que faço de conta que..........

pois--------------


jocas maradas, sempre