sexta-feira

Nem precisava de tanto entrelaço




Nem precisava de tantas raízes de vida
Nem precisava de tanto entrelaço
Em troncos caídos em terra
Como serpentes se movem
Nem precisava de corpos esguios
Nem precisava de tantas vidas sobrepostas
Nem precisava de tanto entrelaço
Só da força que se junta
Só da força que se sente em corpos de serpentes móveis
Nem precisava de rebentos verdes
Só do castanho da terra
Da força que não se move
Do tronco que não se parte
Da vida que só se sente 
do rastejar agoniante 
Nem precisava de tantas …
De tantas…  raízes de vida .

Texto : Teresa Maria Queiroz / Abril 2011
Foto: Corrado Baratta 





7 comentários:

Leonardo B. disse...

[das tantas raízes de vida, na folha da terra

constrói-se poema a poema, o tanto tecto para o mundo]

um imenso abraço, Teresa

Leonardo B.

mfc disse...

Hoje é o dia... hoje é o dia que quero viver!

Sonhadora disse...

Minha querida

Por vezes apenas precisávamos de nos ter-MOS...lindo como sempre o que escreves...sente-se apenas.

Deixo um beijinho
Sonhadora

Sus disse...

Precisava sim... a vida tem isso tudo e muito mais para se manter de pé.

Beijos

Bípede Falante disse...

Mas e agora que tem? :)
Lindo poema, provocante!
bjs

Paulo Roberto Wovst Leite disse...

"Nem precisava de tantas raízes de vida"

Necessito mobilidade!

Abraços,
Paulo.

Conceição disse...

Lindo o poema!
Linda a foto!
Beijinhos