domingo

Já lá vão mais de vinte anos...



Já lá vão mais de vinte anos...



E quando naquela madrugada fria vi entrar pela porta daquela sala asséptica, o meu salvador... de toda a hilariante e feliz aflição, vestido de verde dos pés à cabeça. Só se viam os seus olhos rasgados, asiáticos, nem o sorriso eu lhe via... mas sentia-o.


Sentia assim de repente, toda a confiança que me faltava para acreditar que tudo correria bem. Tu estavas quase a nascer, e eu aguentava com um esforço bom, a tua vinda a este mundo, por ordem das enfermeiras... que não queriam que viesses antes da hora marcada por elas. Isso eu nunca entendi... só lhes pedia, durante toda a noite, que deixassem que nascesses de pé, eu só me queria levantar. Respondiam-me que não, que se me levantasse tu irias nascer como se fosses filho duma preta ... "Porque os pretos é que têm os filhos de pé, lá no mato!" ... E eu, dizendo sem elas me ouvirem, que era isso mesmo o que queria, que era exactamente isso que o meu corpo pedia, para ali ficava esperando o meu médico salvador....


Esperava e pensava, porque raio não deixam a natureza fazer tudo como ela planeou...qual o mal de ter filhos em pé??


E porque teria eu que ouvir comentários racistas e não responder?...


Não respondia porque só pensava em ti, meu filho... pensava que já estava a ser mãe, com as tremendas e “boas” dores de parto... assim que vi entrar o meu médico salvador, só lhe perguntei se já podia fazer força para saíres...ele, sorrindo naquele sorriso que eu não via ...só me disse: " Faça a força toda!!!"


Que alívio....todos chamavam já pelo teu nome ...todos ! O médico, as enfermeiras, a tua avó que me segurou na mão toda aquela noite, e que te viu nascer.


Chamavam o teu nome para que saísses mais depressa de dentro de mim... eu não via nada, só ouvia...só sentia uma dor, que como por artes mágicas da natureza, imediatamente se esquece . E ouvia-os a todos chamarem-te , ouvia o teu nome ...sorria no meio de toda aquela confusão sem saber o que se iria passar, se demorava ... como ia ser.... Sorria e pensava em ti, no teu nome... Em ti meu filho, imaginando-te tal e qual como és.


Nasceste.


Assim que de mim saíste, imediatamente te deitaram no meu peito, ainda com o cordão umbilical, vinhas amarelado, ensanguentado...de olhos fechados, e choravas , e eu ... chorava também, chorava lágrimas boas.


Olhei para a tua avó, para a minha mãe, que me olhava sorrindo e com os olhos cheios de lágrimas felizes, chorámos com uma tremenda felicidade que até aquele dia eu nunca tinha sentido , e que me acompanha ao longo de todos estes anos.


E eu sem palavras.... só te acariciei a cara besuntada de fluidos coloridos .... E só consegui dizer entre lágrimas... "coisinha fofa....."


Obrigada Mãe por me teres dado também esta felicidade. A de saber, eu também, o que é ser mãe.


Obrigada por saberes chorar de felicidade junto a mim... e ao teu neto...


Obrigada Filho, por continuares a ser assim, tal como és … já passados 23 anos.


Parabéns para ti meu “azeitoninhas”, aí na Cidade das Luzes.


Não tarda nada nasceste, às 9:20 h, deste dia 13 de Dezembro.


... e também eu um dia, nasci para te amar...











22 comentários:

Teté disse...

Parabéns ao filhote! (eles por vezes não sabem que nascemos para os amar... um dia chegam lá!)

Parabéns também para ti!

Beijocas

João Viegas disse...

Excelente texto sobre a experiência de ser mãe.

Graça Pereira disse...

Parabens ao "Azeitoninha" e á Mamã que fêz um relato emocionante do teu nascimento.Lindo!
Ela tem razão: não sei porque artes "mágicas" as dores ficam logo esquecidas...A natureza faz tanbém o seu trabalho...
Felicidades aos dois e também beijos.
Graça

Marilisa Peeters disse...

Que linda postagem!
Me emocionei!
bjs

catwoman disse...

Resumes tudo quando falas na dor que se esquece, assim que ulhamos para aquela "coisinha fofa", tiveste sorte em ter alguém a quem dar a mão eu estive sempre só, para além das enfermeiras e daquele entra e sai, com um sentimento profundo de que mem encontrava numa fábrica e que de vez em quando entrava alguém para ver se as peças estavam no sítio e falavam como se eu ali não estivesse, quase 24h daquilo, foram esquecidas em segundos, quando vi a "minha coisa fofa". Bjs e parabéns.

Anónimo disse...

lindo,lindo,lindo. que homenagem linda, muitos parabens pelos 23anos ja passados do seu filho...
beijos Mariah Fernandes (facebook)

LBJ disse...

Este teu post deixou-me de humidade no olho, eu fui assassinado como Pai, enfim... Gostei de te ler.

O Profeta disse...

Sopro esta brisa que percorre as cumeeiras
E arrasto comigo este denso e frio nevoeiro
A noite envolve-me em seu escuro manto
Um milhafre soltou um grito derradeiro

O fogo surgiu do nada
A chama da paixão lambeu uma pedinte mão
Que levou o calor tatuado, abrasador a outra
Duas mãos postas, apontam ao divino uma oração

Na calada da noite despertam os sons
Mil olhos são estrelas na terra
O feitiço da Lua envolve os amantes
O amor tem como pano de fundo doce quimera



Voa comigo no feitiço do vento


Doce beijo

b disse...

Parabéns!
De uma mãe para outra.
Ambas sabemos que este é o único amor que pode carregar este nome.
Boa sorte pro seu filho e pros meus também , neste 13 de dezembro, dia de Santa Luzia.
Luz!

Girl in the Clouds disse...

O texto está muito giro!!
Podes comprar galochas vermelhas em http://www.funky-wellington-boots.co.uk
Kiss

Sonhadoremfulltime disse...

Olá teresa,
também faz mais de vinte anos que passei pelo "mesmo".
Embora muito diferente da tua como mulher, foi o dia mais feliz da minha vida.

Ainda não deste nenhum hipotético titulo ao meu desafio.

Assim, não vais lá ;)


Beijos

Kim disse...

E continuando assim ...
Também ele nasceu para te amar. É sempre maravilhoso ouvir uma mãe a reviver as alaegrias da maternidade.
Beijinho aos dois

continuando assim... disse...

obrigada a todos !!!! agora emocionei-me ....eu...

beijo

Bípede Falante disse...

Nossa, Teresa, que amor mais intenso, que coisa mais linda, quem me dera minha mãe tivesse escrito isso para mim.

Parisiense disse...

Parabéns ao teu menino e sobretudo a ti por teres sido mãe.

SE se ele está na cidade luz está bem.....congeladinho....ahahahah

Beijokitas

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Parabéns aos dois. Eu venho geladinho de Copenhaga e continuo a gelar aqui. Ó sorte!

Luis Fideles disse...

Tê, dizer que aquilo que escreveste é lindo, é redutor. Assim como dizer que aquilo que sentes pelo teu "Azeitoninhas" é enorme, também o é. Não há adjectivos. Para perceber o que é ser mãe, só sendo mãe. E é pena que não haja simuladores, filmes a 3D, descrições ou narrativas que nos mostrem a nós, homens, o que é ser mãe. Talvez nessa altura, os mundos dos homens e das mulheres ficassem mais próximos ... PARABÉNS TÊ, parabéns para ti. :))

Luz disse...

Olá Teresa,
Já tinha lido este texto logo quando o colocaste, não comentei logo, mas eis-me aqui, pois iria sempre comentar o texto onde partilhas algo tão teu, como o foi e será sempre - o nascimento do teu filho! Momento lindo, único, acredito! Ainda não sei o que é, mas quero vir a saber e, não estou nem aí para a idade, tenha saúde se tiver que ser mãe serei, sempre o quis e quero.
Estás de parabéns e, o teu "azeitoninhas" também! Vieste ao mundo para o amar e ele a ti também! Que ambos aproveitem bem esse amor único, não há outro igual!

Bjo com muita Luz

miúda gira disse...

Que lindo Teresa! Agora quase que me punha para aqui a chorar. beijinhos e Parabéns aos 2!

A Senhora disse...

É claro que me emocionei nesta sua "zero horas" de uma aventura que ainda continua. Parabéns ao seu menino! :) Parabéns a você que sabe muito bem o que é ser mãe!

Pinkk Candy disse...

olá,
adorei ler sobre a tua experiência de parto, fizeste um relato lindo, lindo! o amor de mãe é tudo. :)

kiss


p.s: já te tinha lido pelo google reader, hoje entrei aqui sem problemas nenhuns :)

António Resende disse...

Completamente de acordo!